Jhonn D / Blog

Teologia do Empreendedorismo

Não são nenhuma novidade as famosas fórmulas secretas para obter o sucesso. A cada dia que passa, surgem mais pessoas aptas a te vender tais fórmulas. Com o advento das redes sociais, a indústria mágica do sucesso se tornou um mercado milionário. Basta você abrir seu canal do Facebook que aparecerão milhares de anúncios no seu feed de notícias: “Baixe o Manual mais completo já feito para pessoas que querem ter sucesso nas suas carreiras, e descubra de forma prática e simples como conseguir alta performance no seus negócios”.

Existem fórmulas para todos os gostos: – Para quem quer emagrecer e ter um abdômen no shape / – Para quem quer ser feliz / – Para quem quer ter disposição e altos resultados / Para que quer ter uma vida extraordinária, enfim a lista parece não ter fim.

Ao longo da minha vida como consultor empresarial e de marketing, orientador para profissionais, formadores de opinião e casais que buscam ter uma espiritualidade mais concreta e como coach de vida e de negócios, eu tive a oportunidade de ler e me debruçar em estudos relacionados ao comportamento humano, filosóficos, antropológicos, empresárias, específicos nas áreas de marketing, internet. No início eram textos de profissionais para profissionais, de estudiosos para estudiosos, e eu sempre metido no meio dessas leituras, na verdade alguns eram densos e até mesmo incompreensíveis.

No entanto, hoje nesse mundo plano, onde tudo vai se tornando perigosamente relativo, vão sumindo das prateleiras das livrarias os estudos densos de grandes doutores e PhDs – para dar lugar aos e-books de “filósofos do barzinho”. Cada vez mais somos invadidos por uma avalanche de conteúdos de autoajuda nas áreas que você imaginar – chegamos a ver o cúmulo, de utilizarem uma metodologia séria, uma ferramenta altamente eficaz desenvolvida por profissionais sérios e qualificados de Coach para que pessoas se transformem em verdadeiros gurus, se vendendo como Coach de Emagrecimento, como Coach de Vida Prospera.

Às vezes são tantas informações, tantas soluções, que ficamos meio sem saber até por aonde ir. Na teologia do empreendedorismo existe um pensamento ao qual sou bem resistente: – “Você pode tudo, basta pensar”.

Algum tempo atrás surgiu um livro que ficou tão falado no mercado de marketing que me obrigou a lê-lo e tirar uma impressão pela minha própria experiência e não me deixar a levar pelo o que outros falavam, eu já havia adquirido um pré-conceito até mesmo no título da sua capa: “Pense & Enriqueça”.

Perdão pela brincadeira – mas dá vontade de pegar o autor, levá-lo para o alto da torre Itália em São Paulo, no último andar e dizer para ele: – “ Agora pense, pense com firmeza que você pode voar”. Então saímos do abstrato e caímos no real, e o real diz que temos limites, aliás Newton dá vários limites para essa situação.

Achar que o nosso pensamento cria tudo, é muito preocupante porque é um pensamento esquizofrênico. Mais o que realmente é um “pensamento positivo” “um pensamento pró-ativo”, um pensamento de “auto-ajuda”?

Meu ponto de vista inclui os fatores:

– Todos os artigos, textos, livros que lemos – todas as palestras, painéis que escutamos podem nos ajudar de alguma forma.

– E existem apenas duas ajudas eficazes e eficientes nesse processo todo: a nossa e a de Deus.

  • “Ore como tudo dependesse de Deus e trabalhe como tudo dependesse de você”.

Podemos ter o melhor especialista de autoajuda, auto-desempenho, o melhor coach do mundo, o melhor marketeiro do planeta, mas se não tomarmos a decisão de enfrentar e resolver a situação seja ela qual for, o resultado será um fracasso.

Somos arquitetos do nosso destino. E a nossa percepção (nossa e não de outra pessoa), que cria a nossa realidade e determina as nossas escolhas em todos os momentos da vida e em todas as suas áreas.

Imagine ir ao cinema com uma centena de outras pessoas onde, no final, cada uma deve responder um questionário sobre o filme. Quantas versões do filme surgirão? Pois é, nada menos que cem versões. Isso porque o nosso cérebro associa tudo o que vemos no filme as nossas vivências, que estão arquivadas em nossa memória.

No meu processo de maturidade, de crescimento humano, espiritual e até profissional lembro de dois livros: “Porque tenho medo de dizer quem sou” de um pastor americano chamado John Powell e o outro livro que foi mais que fundamental “Tecendo o fio de Ouro” de Maria Emmir Nogueira, consagrada católica, autora e palestrante nacional e internacional, não são livros de autoajuda, mas me ajudaram muito e desempenharam um papel significativo em minha história de vida.

Muitas outras obras literárias também foram significativas para compreender melhor a vida, o homem, o mundo, o mundo dos negócios e Deus.

No entanto, não posso confiar simplesmente minha vida, minha área profissional em livros de autoajuda, achando que eles irão resolver todas as equações.

Hoje muitos empreendedores fazem desses livros um mapa mental para o sucesso, ou até fazem deles suas doutrinas de vida, e vivem como se fosse uma teologia empresarial.

Ler e entender o conteúdo desses livros, colocar as sugestões em prática e entender o quanto você se identifica com os problemas e soluções propostas são passos muito importantes. É muito necessário construir dentro de nós, gatilhos de questionamentos, ter o discernimento e perceber se essas são as mudanças que buscamos na nossa vida e se esse é o momento certo para essas mudanças.

A escolha sempre será nossa, será sua!